Voluntariado-de-competencias-alternativa-eficiente-para-o-período-de-trabalho-remoto
Conteúdo para empresas

Voluntariado de competências: alternativa eficiente para o período de trabalho remoto

O Voluntariado Corporativo é uma das formas mais eficazes de conectar trabalhadores com a empresa e a comunidade que os rodeia.

Recentemente, as empresas têm adoptado uma abordagem mais estratégica e apostado num tipo de voluntariado em que os trabalhadores podem oferecer não só o seu tempo e dedicação, mas, também, as suas competências especializadas em determinadas áreas. 

Num momento de pandemia, em que muitas iniciativas de Responsabilidade Social se tornaram impraticáveis devido ao confinamento e distanciamento social, vejamos como o Voluntariado de Competências é uma alternativa eficiente para o período de trabalho remoto. 

O que é o Voluntariado de Competências?

O Voluntariado de Competências é a transmissão de conhecimentos e know-how especializado, através de voluntários, dirigida às necessidades da comunidade e de organizações sociais, por forma a melhorar a sua performance e a ajudar a solucionar alguns dos seus problemas em determinadas áreas de atuação, por falta de recursos.

Este tipo de voluntariado empresarial proporciona às empresas uma oportunidade de aumentarem os seus conhecimentos e ações de Responsabilidade Social, enquanto potenciam interações com os seus stakeholders e é, ainda, uma fórmula que pode fazer uma grande diferença no funcionamento de uma ONG e melhorar de forma considerável o seu desempenho.

O importante é utilizar as competências e conhecimentos dos colaboradores da empresa na sua área de atuação. Por exemplo, a disponibilização gratuita de serviços de contabilidade por gabinetes de consultoria, melhoramentos das redes sociais por uma agência de marketing, serviços de transporte por empresas de logística, formações de informática por empresas de TI ou questões legais por escritórios de advogados. 

Porque o Voluntariado de Competências é importante para as ONGs

O Voluntariado de Competências ajuda as organizações sem fins lucrativos a colmatar um dos seus maiores problemas — a falta de recursos. A maioria das ONGs têm que operar com fundos muito limitados e minimizar os seus custos para maximizar o financiamento dos seus programas e ajudar causas. Essas limitações nos custos levam, também, a uma insuficiência em recursos humanos e, muitas vezes, a sacrificar a parte estratégica do negócio, prejudicando a sua missão, impacto social e performance. 

Para solucionar estes problemas, as empresas estão a promover, agora, o voluntariado de competências, uma forma de democratizar o acesso aos recursos. Assim, as ONGs recebem, por um período, peritos de uma determinada área que os ajudam a desenvolver estratégias e sistemas a longo prazo e promovem o seu crescimento. Ao mesmo tempo, as iniciativas de voluntariado de competências dão mais disponibilidade aos funcionários dessa ONG para focarem os seus esforços em ajudar realmente a comunidade.

Voluntariado de competências em período de trabalho remoto

Com a pandemia de Covid-19, as ações de voluntariado empresarial em que várias pessoas se juntam para realizar iniciativas, já não são viáveis, até porque a maioria das empresas está a funcionar em regime de teletrabalho. 

No entanto, isto não significa que todas as ações de voluntariado empresarial tenham que parar. Mesmo estando a realizar trabalho remoto em casa, os funcionários podem ajudar as ONGs virtualmente, através do voluntariado de competências (por exemplo, dando formações via videoconferência, fazendo diagnósticos sobre as estratégias de marketing ou procedimentos financeiros e sugerir formas de os melhorar, construindo websites  para a ONG ou atualizando e corrigindo problemas dos websites existentes, oferecendo aulas virtuais de ginástica para funcionários e utentes das instituições, etc.).

Tudo o que possa ser feito por home office é uma boa oportunidade para fazer voluntariado e para colocar os seus conhecimentos ao serviço da comunidade e das organizações que precisam. Num momento em que as relações sociais escasseiam e o confinamento obriga ao recolhimento em casa, iniciativas em que é possível fazer o bem e ajudar o próximo são, também, uma boa forma de fazer com que as pessoas se sintam úteis, de levantar a moral aos funcionários e combater a depressão.

Benefícios do Voluntariado de Competências para as empresas

Não são só as ONGs que ficam a ganhar com o Voluntariado de Competências. As empresas, também, têm muitos benefícios com este tipo de abordagem.

Por um lado, acrescenta valor à imagem da empresa ao usar o Voluntariado de Competências como parte da sua estratégia de Responsabilidade Social e mostrar que estão preocupados com o bem-estar da comunidade. 

Por outro lado, quando as empresas proporcionam estas oportunidades de voluntariado aos seus funcionários, estes têm a autonomia para gerar impacto estratégico e de longo prazo em causas que apoiam, fora do local de trabalho. Ser um motor de mudança social positiva na comunidade aumenta o sentimento de propósito e a realização pessoal dos trabalhadores, é uma forma de os motivar e de melhorarem a sua ligação emocional com o local onde trabalham, o que pode significar um maior nível de satisfação e retenção de funcionários para a empresa. 

É, também, uma forma de funcionários e empresas fazerem networking e criarem ligações duradoiras e colaborações com as ONGs, que vão preferir trabalhar com quem confiam e já têm uma relação laboral.

Dicas para um Voluntariado de Competências de Sucesso

Se pretende aproveitar estes tempos de pandemia para continuar os esforços de Responsabilidade Social da sua empresa a nível virtual e criar iniciativas de Voluntariado de Competências, siga estas dicas para uma estratégia de sucesso.

  • Defina a estratégia de voluntariado: como se vai articular com a estratégia de responsabilidade social empresarial; quais são as questões importantes para a sociedade/comunidade que vão de encontro à missão e valores da empresa; como se cruzam com os desafios e competências da empresa, etc.;
  • Fale com ONGs locais ou nacionais e faça um diagnóstico de necessidades;
  • Comunique com os seus funcionários, identifique os voluntários para este projeto e ajude a definir mais especificamente as organizações e projetos que podem realmente beneficiar das suas competências e que defendem causas com as quais se identificam;
  • Crie uma equipa de trabalho transversal (inclua funcionários das áreas de marketing; RH; relações institucionais; etc.);
  • Escolha o(s) projeto(s) e perceba quanto tempo é necessário dispender, defina e aprove o plano de trabalho, os objetivos e como vão avaliar a participação neste tipo de iniciativas quando terminarem. Existem plataformas que ajudam nestas questões como a eSolidar que oferece um conjunto de ferramentas que ajudam as empresas a gerir o voluntariado dos seus funcionários e as necessidades das ONGs de forma simples e orgânica para que não perca tempo com questões burocráticas e administrativas, e os esforços se concentrem em fazer o bem na comunidade.

O teletrabalho é uma realidade cada vez mais usual nos tempos que correm, mas nem sempre é fácil gerir o trabalho à distância. Leia o artigo do nosso parceiro Sólides sobre Gestão de pessoas no Home Office e fique a saber tudo o que precisa sobre este assunto!

Share via
Copy link
Powered by Social Snap
Close Bitnami banner
Bitnami